Transporte público: a cidade e o bem-estar social

Transporte público: a cidade e o bem-estar social

É triste a situação de Juiz de Fora. Não faz muitos anos, quando meu pai, Tarcísio Delgado, era prefeito, nossa cidade era referência em bem-estar social. As ruas e praças eram limpas, os jardins bem cuidados e a arborização respeitada. A população em situação de rua era tratatada com dignidade e muitos equipamentos públicos agiam para ajudar estas pessoas a saírem desta situação.
Depois Juiz de Fora passou por sucessivos equívocos em suas políticas voltadas ao bem-estar social.

O problema das drogas – sobretudo do crack – assolou o município, até mesmo em ruas do Centro. Claro que este não é um problema exclusivo de Juiz de Fora, mas um desafio das médias e grandes cidades. O problema é que aqui pouco se vê para contornar a situação.

Outro problema está na infraestrutura urbana e nos serviços públicos. Buracos e mais buracos evidenciam um problema que foi sendo empurrado com a barriga ano a ano. Até chegar no ponto atual: o investimento de recuperação plena é gigante, sufocando os cofres da Prefeitura.
Paralelo a isso, a cidade cresceu, a população aumentou e os serviços não acompanharam esta demanda.

Ônibus quebrados? Os relatos mostram que há problemas graves, ocorrendo todos os dias. Deixo aqui uma questão: o serviço de transporte público é ruim porque a população deixou de usá-lo ou a população deixou de usar os ônibus porque o serviço é ruim?

Digo isso porque os números mostram uma queda acentuada de usuários que passam pelas roletas, ano a ano. Resolver esta questão é um grande desafio a ser enfrentado.

Como deputado federal, estou à disposição para buscar os recursos necessários e contribuir para a resolução dos problemas, que são muitos. Mas não é possível agir sozinho. É preciso uma política voltada a recuperar Juiz de Fora e fazer da nossa Princesa de Minas, novamente, uma referência nacional.

E para isso, estarei sempre à disposição!