Crime de Brumadinho completa seis meses

Neste 25 de julho de 2019, completa seis meses desde o crime de Brumadinho, ocorrido na barragem B1, da Mina do Córrego do Feijão, deixando 248 pessoas mortas, além de outras 22 ainda desaparecidas. Para o deputado Júlio Delgado (PSB), a marca de um semestre, ainda com ações diárias dos Bombeiros e da Defesa Civil no entorno da área atingida, mostra a dimensão da tragédia.

Presidente da CPI de Brumadinho, Júlio Delgado tem sido voz ativa no Congresso para mudanças na atividade da exploração mineral em todo o país. Na sua avaliação, a exploração, importante para a economia, principalmente, de Minas Gerais, não pode ser feita negligenciando medidas de segurança.

“A atividade precisa se tornar mais segura. O lucro das mineradoras não pode ser maior porque medidas de proteção não foram tomadas de forma eficiente e eficaz. Por isso é tão importante alterar e criar novas leis, para a proteção não somente dos trabalhadores destas empresas, como também de todas as comunidades que vivem no entorno.”

Desde janeiro, o deputado federal tem priorizado todas as suas atividades políticas em prol desta causa. Primeiro, através da Comissão Externa de Brumadinho, a qual ele foi relator, e que acompanhou as investigações e criou projetos de leis para garantir mais segurança. E mais recentemente, através da CPI, onde ele é o presidente.

Além de Brumadinho, a CPI permite avaliar os riscos em outras barragens de rejeitos em Minas Gerais. Congonhas e Barão de Cocais, por exemplo, são municípios que já receberam audiências públicas externas da comissão.

“O mais importante é manter as investigações para que o caso de Brumadinho não caia no esquecimento. Digo isso em respeito À memória de todos que perderam suas vidas, e dos familiares que choram a morte dos seus entes queridos. As atividades em Brasília permanecem até que todas as respostas sejam conhecidas.”