Os poetas mineiros na literatura de cordel

Enaltecer as tradições de Minas e do seu povo. É este, também, o papel da Lietratura de Cordel, gênero literário que, no ano passado, recebeu o título de “bem imaterial” pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Nesta quinta-feira (1° de agosto) é celebrado o Dia Nacional do Poeta de Cordel.

A maioria das pessoas acha que o cordel é exclusivo da cultura nordestina. É verdade que é a região onde foi mais difundido, mas Minas Gerais possui nomes importantes neste gênero. Artistas que lutam para espalhar a cultura da poesia, principalmente, nas escolas de todas as regiões do Estado. Um deles é o mineiro de Teófilo Otoni Olegário Alfredo, de 65 anos, mais conhecido como Mestre Gaio.

Membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC), Mestre Gaio fala com paixão sobre o dia do poeta. “Tenho orgulho de, através do cordel poder falar sobre o nosso estado. Tenho mais de 100 trabalhos onde destaco o folclore, as tradições e o povo mineiro. Através dos versos, me manifesto, elogio e falo sobre temas delicados, como preconceito”, conta.

Mas o poeta evita a dor e a revolta. Por estas razões, segundo ele, se negou a escrever sobre as tragédias recentes de Minas Gerais, como o rompimento das barragens de Mariana (2015) e de Brumadinho, em janeiro deste ano. “Seria uma poesia muito doída. Teria que tocar em feridas e acusar. Embora tenha recebido inúmeros convites – e inclusive visitado várias vezes as duas cidades – resolvi não escrever sobre.”

Cordel nas escolas

Segundo Mestre Gaio, muitas escolas mineiras já colocaram a Literatura de Cordel na sua grade curricular. Ele, que é professor de literatura, luta para que o estudo deste gênero seja incluído em todo o país como já ocorre, por lei, em vários estados da região do Nordeste. “Além disso, levamos o cordel para áreas onde o povo está: nas ruas, praças, igrejas, disse ainda destacando outros poetas mineiros importantes para o gênero, como o também membro da ABLC* Téo Azevedo, de Montes Claros, e os belo-horizontinos Tadeu Martins e Madu Costa.

conheça mais sobre a Literatura de Cordel em MG através deste site.