O que pode mudar nas eleições no próximo ano?

A reforma política que querem fazer no país beneficia poucos, aumenta o curso da campanha com recursos públicos, reduz o poder de escolha do eleitor e elimina a possibilidade de se eleger uma representação ampla, seja para vereadores ou deputados. Não defendo o modelo do distritão que querem aprovar no Congresso e questiono vários pontos da reforma. Falei sobre este assunto em reportagem da Tribuna de Minas publicada nesta terça-feira.

Entre minhas ponderações, disse que o “distritão me parece a última saída para aqueles que estão desgastados com tudo o que está acontecendo. É uma tentativa de tentar garantir mais um mandato, com a adoção de um modelo em que teremos menos candidatos na disputa, aliado a um aumento do fundo de campanha”.

Leia aqui.