O legado de Eduardo Campos

A política não foi mais a mesma desde aquele “13 de agosto de 2014”. No início da campanha eleitoral para a Presidência da República, o Partido Socialista Brasileiro (PSB) mostrava ao país que uma terceira via era possível. Seu nome: Eduardo Campos, nordestino, chefe de família e político nato.

Experiente, carismático, ele trazia no currículo uma trajetória que demonstrava competência e experiência na gestão pública. Foi três vezes deputado federal, governador de Pernambuco por dois mandatos – eleito duas vezes o governador mais eficiente do Brasil. Esteve ainda como ministro de Ciência e Tecnologia na Era Lula.

Eduardo estava pronto para dar um passo além, quando um desastre aéreo tirou sua vida, precocemente, aos 49 anos. Lembrar dele, para mim, é revisitar o legado que deixou para esta e as futuras gerações. Muitos dos ensinamentos deixados por ele nos servem como norte.

Até hoje, cinco anos após sua morte, não encontramos uma figura forte capaz de unir o Brasil. Uma voz que seja o ponto de equilíbrio entre as mais diferentes alas da sociedade e de um partido plural, como é o PSB, porém com o mesmo propósito: defender os interesses do povo brasileiro, em especial os dos mais pobres.

A polarização da política, que já mostrava força em 2014, se intensificou nos anos seguintes. E, muito embora o Brasil tenha 33 partidos, a divisão é tamanha que hoje apenas duas vozes, extremistas, ressonam. Realidade ruim para o processo democrático, que fortaleceu o discurso de ódio, a intolerância e a segregação que se instalou em nosso país.

Mais do que nunca nos falta um representante que seja plural, mas agregador. Firme, porém consciente das dores do nosso povo. Acredito que ele poderia ter sido Campos. “Não vamos desistir do Brasil” foi sua frase mais conhecida e que nos inspira todos os dias a continuar nossa jornada, até mesmo nas horas mais difíceis vividas em tempos de tamanha violência.

Espero que quando surgir este novo nome, no futuro, muitas de suas qualidades sejam as mesmas de Eduardo Campos. E que esse novo governante tenha na boa gestão pública sua grande missão, não somente em benefício de poucos, mas única e exclusivamente voltada ao crescimento do país e o bem-estar social.

Ao ex-colega da política e grande amigo, fica a saudade. Dedico-lhe minhas orações e o mais sincero agradecimento pelas lições compartilhadas. Muito obrigado!

Respeitosamente

Júlio Delgado
Deputado Federal (PSB/MG)