Monte Sião: FENAT 2020 é cancelada devido à pandemia

A notícia do cancelamento da tradicional Feira Nacional do Tricô – FENAT de Monte Sião, no Sul de Minas, é mais um reflexo econômico da crise sanitária provocada pelo novo coronavírus em todo o Brasil. Perdem o turismo local e os negócios têxteis da região com a não realização do evento, promovido pela Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e de Prestação de Serviço de Monte Sião (ACIMS).

Na última sexta-feira (05/06) véspera do início da FENAT, Minas Gerais bateu novo recorde de mortes pela Covid-19 em 24 horas, com mais 21 registros. A situação demonstra a necessidade de manutenção do isolamento social para frear a proliferação do vírus, inclusive nas localidades pouco afetadas pela doença.

O deputado federal Júlio Delgado (PSB/MG), parceiro de Monte Sião há anos, está ciente dos problemas enfrentados pela cidade e por tantos outros municípios mineiros nessa pandemia e se solidariza com a situação. Na avaliação do congressista, apesar do momento difícil, a população deve se manter segura, isolada, pois o mais importante é preservar vidas.

Delgado destaca a capacidade dos montessionenses se adaptarem para continuar a tocar os negócios – vide a quantidade de novas lojas online e da criação de meios alternativos para expor e comercializar os produtos.

Entretanto, sabe que o processo não funciona da mesma maneira para todos. É onde o Governo deve atuar para reduzir os impactos para todos.
“Continuamos trabalhando e votando, por meio das sessões virtuais, os projetos indispensáveis à população brasileira nesse momento. Os esforços têm sido intensos e temos conseguido dar respostas no enfrentamento da pandemia”, explicou o parlamentar.

Ele elenca algumas das medidas para socorrer desde os profissionais autônomos, liberais, às pequenas, médias e grandes empresas.

MP 956/2020
Destina crédito extraordinário ao Ministério da Cidadania para o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 a pessoas em situação de vulnerabilidade em decorrência da pandemia do novo coronavírus.

MP 975/2020
Cria fundo de até R$ 20 bilhões para garantir empréstimos, em condições especiais, a pequenas e médias empresas. Duas emendas, apresentadas por Júlio Delgado buscam garantir que o recurso seja usado prioritariamente que faturam de R$ 360 mil a R$ 4,8 milhões/ano. A atual proposta do Governo Federal não assegurava prioridade dos pequenos no acesso ao crédito.

MP 936/2020

Cria o programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, em que o poder público concede benefícios às empresas que mantiverem os postos de trabalho durante a pandemia, como a prorrogação de prazos para pagamentos de tributos. Além de permitir redução da carga horária e do salário a ser pago ao colaborador, de forma de diminuir os impactos da folha de pagamento no caixa das empresas.

PL 1562/2020

Cria a obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção para quem circula em vias públicas. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), associado ao isolamento social, o uso da máscara é um importante aliado para evitar a contaminação acelerada do novo coronavírus, principalmente em cidades com grande circulação de pessoas.

PL 1397/2020

Possibilita ajudar empresas em grave dificuldade financeira, prestes a decretar falência, criando mecanismos de proteção do negócio. Entre eles, a suspensão por até 60 dias de todas as execuções autorizadas pela legislação, de forma a garantir os empregos no momento de pandemia.

Auxílio financeiro

Além disso, outra proposta discutida no Congresso e que resultou em vitória para estados e municípios brasileiros foi a ajuda financeira de R$ 125 bilhões a ser dada pelo Governo Federal. Monte Sião irá receber R$ 2.619.942,74 do Fundo de Emergência para usar em gastos específicos com ações em Saúde (no combate ao vírus) e outro percentual de livre utilização.

Essas e outras propostas em discussão são encontradas em www.camara.leg.br

Recursos para Monte Sião

Júlio Delgado é parceiro antigo e já encaminhou mais de R$ 5,5 milhões em emendas para atender as demandas de Monte Sião. Desse montante, foram destinados R$ 2.285.204,00 para a saúde; R$ 1.250.000,00 para infraestrutura; R$ 980.648,50 para a agricultura, R$ 525.438,39 para o esporte e mais R$ 525.000,00 para o turismo.