Bancada mineira assina nota de repúdio contra Governo de Minas

O deputado federal Júlio Delgado mobilizou a bancada mineira, na Câmara, para cobrar explicações e demonstrar insatisfação com as últimas nomeações do Governo do Estado de Minas Gerais. A motivação foi a indicação do ex-presidente da mineradora Samarco para presidir a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais. Até a noite da última quinta-feira (28 de fevereiro) havia assinado o documento 26 parlamentares.

Segundo Júlio Delgado, Minas Gerais não pode aceitar, calada, a nomeação de secretários de governo que tenham estreitas relações com as mineradoras. Em parte do documento que acompanha o abaixo-assinado, ele diz: “A indicação de um ex-presidente da Samarco, responsável pelo crime em Mariana e a manutenção do secretário, demonstra que irão olhar somente um lado e temos certeza de que não é o nosso.”

Confira o documento na íntegra

“Nós, Deputados Federais de Minas Gerais abaixo assinados, neste início da nova legislatura decidimos priorizar nossa atuação, no sentido de dar uma resposta legislativa diante das tragédias ocorridas em Mariana e três anos depois reincididas em Brumadinho. Só a perda de vidas de irmãos mineiros já justificaria nossa postura. O comprometimento das bacias do Rio Doce e agora Paraopeba e São Francisco atestam nossa prioridade.

Enquanto lutamos por isso, vemos de forma o tanto quanto irresponsável por parte do Governo de Minas Gerais, o retorno na nomeação de secretários que tinham relações estreitas com mineradoras, como a indicação para a CODEMIG, órgão que detém a lavra de nióbio, de um ex-presidente da mineradora SAMARCO, responsável direta pelo crime da barragem de Fundão em Mariana e a manutenção de um Secretário que assinou a DN 217/2017, que é responsável pela redução da classificação de operação de rejeitos de barragens, como a de Córrego do Feijão em Brumadinho.

Pelo histórico deles sabemos que irão olhar somente um lado e temos certeza que não é o nosso. Uma afronta à atuação da Bancada em Brasilia, que trabalha empenhada em constituir uma CPMI, onde teríamos maneiras mais contundentes para atuar com independência necessária. Acima das finanças de Minas Gerais queremos cuidar das vidas, dos rios e do desenvolvimento sustentável do nosso querido Estado. SÓ O DINHEIRO NÃO VALE A PENA.