Moralidade na política

Moralidade na política


A busca pela moralidade na política sempre foi um DNA nos mandatos do deputado federal Júlio Delgado (PSB/MG). Desde as primeiras legislaturas, o parlamentar mineiro esteve envolvido, direta e indiretamente, em ações contra a corrupção e o mau uso do recurso público.

Atualmente, Júlio Delgado é membro do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados, estrutura responsável por fiscalizar ações de membros do Congresso Nacional que ferem a imagem do Legislativo, a ética e atenta contra o bom uso dos recursos públicos.

Neste conselho, em 2015, Júlio Delgado foi convidado a presidir o mais importante processo de cassação de direitos políticos da história do Conselho. Ao longo de 11 meses, investigou o esquema de corrupção que envolvia políticos e empresários, elaborando um relatório que culminou na cassação por quebra de decoro parlamentar do ex-deputado federal José Dirceu. Além disso, em 2014, foi relator do processo contra o deputado André Vargas, no Conselho de Ética da Câmara, pedindo a cassação do parlamentar.

Nesta atual legislatura, Júlio Delgado tem se manifestado publicamente contra medidas do Congresso Nacional que, na sua visão, ferem a reputação do parlamento brasileiro trazendo mais moralidade na política. Entre elas, a votação que aumentou para R$ 5,7 bilhões o valor destinado ao financiamento público das campanhas. “É uma afronta à sociedade brasileira a destinação deste valor enquanto hospitais e escolas suplicam por verbas e a infraestrutura do país necessita, urgentemente, de investimentos”, disse.